Liberdade para Íngrid Betancourt

Ingrid Betancourt Pulecio é uma senadora e activista anti-corrupção franco-colombiana. Foi raptada pelo grupo terrorista FARC em 2002 enquanto fazia campanha para as eleições presidenciais. Betancourt permanece cativa, pois é uma refém-chave para uma possível troca das FARC para com o governo colombiano por prisioneiros e seqüestrados, respectivamente.


Viveu boa parte de sua juventude em Paris, onde o pai servia como embaixador da UNESCO. Estudou Ciências Políticas no Instituto de Estudos Políticos de Paris. Após o assassinato de Luis Carlos Galán, (ex-candidato a presidência) com uma plataforma política anti-drogas, Íngrid decidira retornar à Colômbia (1989). Em 1990 ela trabalhou no Ministério das Finanças da Colômbia, posteriormente abandonou, para entrar na política. Na sua primeira campanha, Íngrid distribuíra preservativos que representavam como ela mesmo dizia: "um preservativo contra a corrupção". Combatia o tráfico de drogas e militava na causa ambiental.

Íngrid concorrera ao cargo de senadora na eleição de 1998 - a quantidade de votos que recebera fora a maior entre todos os candidatos ao senado daquela eleição. Durante seu mandato recebera ameaças de morte por uma organização militar desconhecida, forçando-a a enviar seus filhos para Nova Zelândia.

Após a eleição de 1998, Íngrid escrevera um livro, uma memória. A priori, seu livro não fora publicado na Colômbia, pois continha revelações polêmicas, além de críticas e acusações contra o antigo presidente Samper e outros, por isso fora publicado inicialmente na França com o título: "La Rage au Coeur" (Raiva no coração).

Cronologia do seqüestro de Ingrid Betancourt

Alguns dos principais acontecimentos em relação ao caso:

Photobucket- 2002 -

23 de fevereiro: as FARC seqüestram Betancourt, candidata presidencial, e sua coordenadora de campanha, Clara Rojas, perto de San Vicente del Caguán, 740 km ao sudeste de Bogotá.
27 de fevereiro: a guerrilha se oferece por libertar Betancourt em troca de rebeldes presos.
26 de maio: Betancourt obtém 0,5% dos votos nas eleições presidenciais.
23 de julho: as FARC divulgam um vídeo de Betancourt gravado no dia 15 de maio.
7 de agosto: Alvaro Uribe assume a presidência, partidário da linha dura com a guerrilha.
15 de novembro: Uribe revela um plano para enviar rebeldes presos ao exterior, com apoio da França, em troca da libertação de seqüestrados.
3 de dezembro: as FARC exigem que sejam desmilitarizados dois departamentos (115.000 km2) para negociar uma troca.

Photobucket- 2003 -

28 de abril: a guerrilha designa três negociadores.
9 de julho: A França envia um avião a Manaus, na Amazônia brasileira, para uma eventual libertação de Betancourt, numa operação secreta que fracassa.
30 de agosto: Betancourt aparece pela segunda vez num vídeo, gravado em maio.

Photobucket- 2004 -

2 de dezembro: o presidente colombiano perdoa 23 guerrilheiros para destravar o bloqueio a um acordo humanitário.
3 de dezembro: as FARC pedem a liberdade de 500 rebeldes presos em troca de reféns e a desmilitarização de um território de 800 km2 que inclui os povoados de Florida e Pradera.

Photobucket- 2005 -

13 de dezembro: França, Espanha e Suíça propõem negociar a troca numa pequena propriedade rural no sudeste da Colômbia com observação internacional. Uribe aceita.

Photobucket- 2006 -

2 de janeiro: as FARC dizem desconhecer a proposta européia e consideram que negociar seria favorecer Uribe, que aspirava a ser reeleito.
29 de maio: Uribe é reeleito para um segundo mandato.
24 de setembro: as FARC divulgam um vídeo de 12 deputados reféns. Um chefe rebelde assegura que Betancourt vive nas mesmas condições que os guerrilheiros.
28 de setembro: Uribe anuncia a disposição de desmilitarizar a Flórida e Pradera.
20 de outubro: o governo suspende as aproximações devido à explosão de um carro-bomba atribuído às FARC numa universidade militar em Bogotá.
31 de dezembro: o ex-ministro Fernando Araújo, um dos reféns das FARC, escapa no meio de uma operação militar ao norte da Colômbia. Em fevereiro é nomeado chanceler.

Photobucket-2007-

30 de janeiro: Uribe diz ante a cúpula da polícia que 2007 será um ano "crucial para resgatar os seqüestrados". França e a família de Betancourt se opõem a uma operação militar.
28 de abril: o policial John Frank Pinchao, que partilhava o cativeiro com Betancourt, consegue escapar e conta que ela permanece num acampamento na selva do sudeste da Colômbia.
6 de maio: em seu primeiro discurso após ser eleito presidente da França, Nicolas Sarkozy afirmou que não esquecerá da sorte de Betancourt.
1 de Junho: Uribe começa a liberar mais de 120 guerrilheiros das FARC, entre eles o chamado "chanceler" do grupo, Rodrigo Granda, cuja liberdade foi solicitada por Sarkozy.
28 de Junho: as FARC anunciam que 11 deputados reféns morreram num "fogo cruzado com um grupo militar não identificado". Uribe as acusa de assassinato.
2 de agosto: Uribe se diz disposto a negociar em três meses a paz com as FARC. A guerrilha recusa a oferta.
15 de agosto: Uribe nomeia a senadora opositora Piedad Córdoba como facilitadora para a troca.
17 de agosto: Chávez aceita fazer a mediação entre as FARC e Uribe.
20 de agosto: Chávez recebe em Caracas familiares dos reféns.
29 de agosto: Sarkozy e Chávez dialogam por telefone sobre o caso.
30 de agosto: Sarkozy e Uribe dialogam por telefone sobre o encontro com Chávez em Bogotá.

A mediação das negociações para a liberação dos reféns das Farc vem causando rompimentos diplomáticos.

A notícia da divulgação de uma prova de vida de Ingrid Betancourt após mais de quatro anos sem nenhum sinal de que a ex-senadora franco-colombiana passava bem, mesmo que seqüestrada pelas mãos das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), foi recebida com muita emoção pela família de Ingrid residente na França. Mas, ao mesmo tempo em que viram enfim a familiar viva, o filho e o ex-marido da política ficaram chocados pelo estado frágil e triste em que ela se encontra e exigem que o governo colombiano encontre um fim para o seqüestro.



Cinco vídeos foram capturados junto com três guerrilheiros presos pelo Exército colombiano ontem. As imagens, divulgadas, mostram por 52 segundos uma Ingrid bem mais magra, de cabelos beirando a cintura e mal vestida, olhando fixamente para o chão durante todo o tempo.

Uma carta da ex-senadora escrita para sua mãe, datada de 24 de outubro de 2007, com mais de 12 páginas, também foi obtida pelas autoridades colombianas. Eis alguns trechos divulgados:

  • "Aqui vivemos como mortos", relata a refém franco-colombiana Ingrid Betancourt, seqüestrada há mais de cinco anos pelas Farc.
  • "Estou mal fisicamente. Não consigo me alimentar. Meu apetite está bloqueado. Meus cabelos estão caindo aos montes". "Amo a França de coração, pois admiro a capacidade de mobilização de um povo que, como dizia Camus, sabe que viver significa assumir compromissos. Todos esses anos foram terríveis, mas acho que nem estaria viva hoje se não fosse pelo compromisso que eles trouxeram a todos nós, que aqui vivemos como mortos".

Na carta, Ingrid pede à mãe ainda que peça a seus filhos, Lorenzo e Mélanie Delloye, para mandarem três mensagens semanais por meio das transmissões de rádio.

  • "Nada transcendental, apenas o que possam e lhes ocorra escrever de afã. Não necessito de nada mais, mas preciso estar em contato com eles. É a única informação vital, imprescindível, o resto já não me importa" .

Ingrid contou também procurar guardar silêncio e "falar o menos possível" no cativeiro para "evitar problemas".

  • " A presença de uma mulher em meio a tantos prisioneiros que estão há oito ou 10 anos cativos é um problema ".

Até então, a última prova de que a ex-candidata presidencial está viva havia sido divulgada em 2003. Uma das cartas encontradas foi a escrita por Betancourt para sua mãe.

A ex-senadora Ingrid Betancourt foi vista com vida nos últimos dias por moradores de El Retorno e El Caracol, no departamento de Guaviare. Mas o estado de saúde da refém das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) seria muito grave. Rádios afirmam que ela necessita de transfusão de sangue e que foi tratada com medicamento para parada cardíaca. Segundo o jornal "El Tiempo", Ingrid foi vista por um camponês em 23 de março em El Retorno.

"Um camponês tocou sua mão e tentou animá-la porque estava muito deprimida", disse a fonte, acrescentando que Ingrid estaria recusando alimentos e remédios.

Ex-marido de Ingrid Betancourt diz temer que ela esteja morta

O ex-marido de Ingrid Betancourt, Fabrice Delloye, afirmou no sábado temer que a refém franco-colombiana das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) "esteja a ponto de morrer ou já esteja morta", após declarações alarmistas por parte de autoridades colombianas sobre seu estado de saúde.

- "Tenho medo de que Ingrid Betancourt esteja a ponto de morrer ou já esteja morta. O que me angustia é a declaração do governo colombiano, e me pergunto se não dispõem de informações que ignoramos" - disse.

Nesta segunda-feira (31/03), um avião enviado pelo governo francês para receber Ingrid Betancourt voltou vazio à França, frustrando as expectativas de que a ex-senadora colombiana fosse libertada pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), que a mantêm em cativeiro há seis anos. Um outro avião, entretanto, já estaria de prontidão em uma base francesa.

A expectativa pela libertação de Ingrid Betancourt, que também tem cidadania francesa, aumentou na semana passada quando a Colômbia publicou um decreto autorizando a troca de reféns das Farc por guerrilheiros presos. As autoridades francesas, que teriam informações sobre a entrega da ex-senadora, enviaram na sexta-feira um avião oficial à Guiana Francesa para ficar preparado no caso de uma possível liberação de Ingrid, seqüestrada em fevereiro de 2002 quando fazia campanha para a Presidência colombiana.

Mais notícias sobre Ingrid Betancourt Pulecio, aqui


Abaixo assinado pela libertação de Ingrid

Photobucket Photobucket Photobucket
Denise BC

9 comentários:

JOICE WORM disse...

Cada um de nós terá uma missão na Terra. A da Ingrid é um fardo pesado e importante.
Um beijo grande para ti Deni BC

Luiz Ramos disse...

Até onde chegaremos?
Essa senhora está com diversas doenças adquiridas na selva.

Marcos Santos disse...

O que esperar de homens que treinam e fazem negócios com traficantes do Brasil?

Fernando Zanforlin disse...

Ol'a, Denise obrigado pela visita, foi uma honra participar do abaixo assinatura, que aqui encontrei.
ab.

luzdeluma disse...

Denise, o que Ingrid não deve ter passado por esses anos. Que destino! Tomara Deus que ainda esteja com vida e que possa um dia se juntar aos seus!
Não fiquei sabendo da blogagem, senão tinha postado também!
Beijus, Luma

JandiraS.Santos disse...

Denise,nossa que história heim ...
o que Ingrid deve estar sofrendo esses anos. Que destino! Tomara Deus que ainda esteja com vida e que possa um dia se juntar aos seus!
Poxa !!!! Não fiquei sabendo da blogagem, senão tinha postado também!
O da água eu cheguei a postar pq graça a vc vi a chamada aqui ...
Beijinhos
Jan
http://www.splinder.com

Eduardo P.L. disse...

DEnise,

vou participar assinando!

Obrigado pela postagem!

ROSÁCEA disse...

Eu fico muito sensibilizada com as dores dessa mulher.
Parabéns Denise por esse excelente texto sobre Ingrid e seu calvário.

beijos

Denise disse...

Mandou muito bem Denise!
O caso merece a divulgação.
beijos
D

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin

Nosso Planeta em Números

Adorei a Visita - Volte Sempre!
Photobucket

msn spaces tracking